Argentina deixa de exigir teste PCR de covid para brasileiros neste sábado, 29

28/01/2022

A partir deste sábado (29) os turistas brasileiros não serão mais obrigados a apresentar o PCR ou teste antígeno de covid-19 para ingressar na Argentina. A flexibilização, que vale também para o Paraguai, consta de portaria do setor de Migrações publicada na última quarta-feira (26). No entanto, será necessário apresentar comprovante do esquema vacinal completo, com a última dose de pelo menos 14 dias antes do ingresso.
As fronteiras da Argentina permaneceram fechadas desde o início da pandemia, em março de 2020, até outubro do ano passado. A estratégia foi adotada pelo governo federal para evitar a propagação do novo coronavírus (covid-19). Desde a reabertura das fronteiras terrestres, houve diversas flexibilizações nos protocolos sanitários para ingressar no país.
A não exigência do exame, principalmente dos argentinos que estão retornando, quer agilizar a travessia na fronteira. De acordo com a medida, além da isenção do PCR, os turistas não serão mais obrigados a cumprir quarentena. Para ingressar no país, longe da faixa de fronteira, será exigido o seguro de saúde covid-19 com cobertura de internamento e isolamento.
A cobertura deve incluir ainda, em caso de necessidade, traslados sanitários para quem apresentar teste positivo para a doença, em caso de suspeita e de contatos próximos com pessoas contaminadas. Será preciso ainda preencher a declaração jurada, que deve ser apresentada na Aduana, contendo dados do esquema vacinal completo e o tempo de 14 dias de permanência no país de origem.

Mesma regra
O visitante que for ingressar na Argentina, e não tiver o esquema de vacinação, terá que apresentar teste de PCR negativo, feito 72 horas antes no país de origem, ou teste de antígeno, de até 48 horas antes. Também terão que se submeter a uma quarentena de sete dias, a contar da data do teste de PCR ou antígeno, e possuir seguro de saúde covid-19.
De acordo com a portaria da Migração, os menores de idade que ainda não tenham a vacinação completa, não precisarão fazer quarentena. No entanto, eles não devem participar de atividades de grupo ou massivas nos primeiros sete dias da chegada ao país. As crianças com menos de seis anos não precisam fazer testes de PCR ou antígeno.
A nova portaria da Migrações ganhou destaque na imprensa argentina nesta quinta-feira (27). Em entrevista ao El Territorio, o coordenador regional de Saúde de Fronteiras do Ministério da Saúde, Walter Villalba, disse que, embora os casos de covid-19 tenham aumentado, a tensão sobre o sistema de saúde não é a mesma como a provocada pela variante delta.
"Pode-se garantir que com as vacinas completas todos os países do Mercosul se moverão com o mesmo idioma sanitário", ressaltou Villalba. Para ele, o impacto maior será sobre os argentinos que regressarem ao país, muitos deles em veraneio nas praias brasileiras, que já não precisarão apresentar teste de PCR negativo.

Faixa de fronteira
Pela portaria, os moradores de cidades-gêmeas (como Foz do Iguaçu/Puerto Iguazú) ou que moram a até 50 quilômetros de distância da fronteira estão dispensados do teste de antígeno, mas têm que apresentar esquema completo de vacinação. Para ingressar no país vizinho, é necessário apresentar também um comprovante de residência, além da declaração jurada (para os moradores que não são da fronteira).

Fonte: Da Redação GDia.com

Foto: La Voz de Cataratas/arquivo

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Seja o primeiro, faça seu comentário. ;)