Últimas duas parcelas do auxílio emergencial também serão de R$ 600

20/07/2020
No final de junho, quando foi anunciada a prorrogação do auxílio emergencial, o ministro Paulo Guedes, indicou que o benefício poderia ser fracionado. “Conseguimos sensibilizar o governo a manter o mesmo valor porque a crise continua grave”, destacou Vermelho.

Fonte: GDia.com

Foto: Marcos Labanca

Ao contrário do que havia informado o ministro Paulo Guedes, as duas últimas parcelas do auxílio emergencial durante a pandemia do novo coronavírus, também serão de R$ 600,00. A informação foi transmitida ao GDIA pelo deputado federal Vermelho.
Ele votou a favor de todos os benefícios oferecidos pelo governo federal às pessoas atingidas pela crise econômica causada pela covid 19, inclusive estendendo o benefício a outras categorias. “Votei a favor da criação do benefício, aumentamos o valor de R$ 200 para R$ 600 e votei a favor da prorrogação”, disse o deputado.

No final de junho, quando foi anunciada a prorrogação do auxílio emergencial, o ministro Paulo Guedes, indicou que o benefício poderia ser fracionado. “Conseguimos sensibilizar o governo a manter o mesmo valor porque a crise continua grave”, destacou Vermelho.
O deputado informou que tanto a Câmara quanto o Senado poderão pressionar o governo a estender ainda mais o benefício. “Se a pandemia não acabar e a crise econômica continuar, nada mais justo do que estender essa ajuda por mais alguns meses”, garantiu Vermelho.

Calendário
A Caixa divulgou o calendário de pagamento das parcelas 4 e 5 do auxílio emergencial e para os beneficiários do Bolsa Família. O valor será creditado seguindo o calendário do programa, começando nesta segunda (20).

A quarta parcela do programa começa a ser creditada em cota dos aprovados que são do Bolsa Família começando nesta segunda, dia 20, e terminando no dia 31 de julho. A quinta parcela será paga entre os dias 18 e 31 de agosto. O novo calendário de pagamentos passa a ser organizado em ciclos de crédito em conta poupança social digital e saque em espécie.

Fake-news
O deputado Vermelho também esclareceu as fake-news divulgadas nas redes sociais acusando-o de ter votado contra a prorrogação do auxílio emergencial.

“Votei a favor de todos os benefícios concedidos pelo governo às pessoas mais necessitadas durante essa pandemia. Também viabilizamos recursos para o Hospital Municipal. Sempre votarei de acordo com a minha consciência”, frisou Vermelho.

O que ocorreu, na verdade, é que alguns deputados de oposição fizeram uma emenda oportunista e inconstitucional prorrogando o auxílio até dezembro, sem apresentar qualquer fonte de financiamento. Essa emenda eleitoreira foi rejeitada no plenário.
O deputado afirmou que o auxílio emergencial é de responsabilidade da presidência da República e que os deputados e senadores têm a obrigação de votar com responsabilidade, sem demagogia e oportunismo.


Da redação

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Seja o primeiro, faça seu comentário. ;)