FRONTEIRA: Exército se une à Força Nacional em nova edição da Operação Ágata

14/12/2021
Mais uma edição da Operação Ágata foi iniciada nessa segunda-feira (13) pelo Exército Brasileiro em toda a faixa de fronteira do Paraná. Em Foz do Iguaçu os militares se unem à Força Nacional, que já vem reforçando a segurança em pontos estratégicos desde o dia 4 de dezembro.

Mais uma edição da Operação Ágata foi iniciada nessa segunda-feira (13) pelo Exército Brasileiro em toda a faixa de fronteira do Paraná. Em Foz do Iguaçu os militares se unem à Força Nacional, que já vem reforçando a segurança em pontos estratégicos desde o dia 4 de dezembro. 
Cerca de 200 homens foram mobilizados para a ação, que não tem data para término. Com a proximidade das festas de final de ano e o aumento do fluxo de pessoas, o trabalho visa evitar o crescimento de diversos crimes e garantir a tranquilidade dos moradores e turistas. 
Dentre as atividades serão estabelecidos pontos de bloqueio em áreas estratégicas, como a aduana da Ponte Internacional da Amizade, BR-277 e estradas paralelas. Haverá ainda patrulhamento no Rio Paraná, Lago de Itaipu e outros locais conhecidos pela existência de portos clandestinos usados para o transporte de ilícitos, especialmente à noite.
Pessoas, veículos e embarcações serão revistados com o auxílio de outros órgãos de segurança. O Exército também destaca que está atento a todas as medidas de prevenção e combate à covid-19. 
Sob o comando, no Oeste, da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada, que tem sede em Cascavel, a ação está em sua quinta e última fase de 2021. Os locais de fiscalização sofrerão mudanças constantes a fim de dificultar a ação de criminosos e aumentar a eficácia das fiscalizações, especialmente contra o tráfico de drogas, armas e entorpecentes. 
O balanço das ações realizadas este ano deve ser divulgado em breve, mas a título de conhecimento e comparação futura, em 2020 a Operação Ágata retirou de circulação mais de R$ 140 milhões em contrabando, descaminho, entorpecentes, além de veículos e embarcações usadas no transporte de ilícitos na Tríplice Fronteira. 
“O principal foco da operação é ampliar a presença das forças de segurança do estado na fronteira, que é onde percebemos a maior incidência de crimes envolvendo o tráfico de drogas, armas e o contrabando de diferentes produtos. Todas essas ocorrências costumam aumentar durante os períodos festivos, portanto, com essa medida, nós limitamos a liberdade de ação das organizações criminosas”, informou a assessoria da 15ª Bda. Inf. Mec. 

Proteção de Fronteiras
As ações da Operação Ágata estão inseridas no Programa de Proteção Integrada de Fronteiras, instituído pelo Decreto Presidencial nº 8.903, de 16 de novembro de 2016, e tem como objetivo intensificar as medidas de controle, fiscalização e repressão ao transporte de ilícitos nas regiões de fronteira, fortalecendo a presença do Estado nesses locais. 
Além da Defesa, a Ágata envolve a participação de 12 ministérios e 20 agências governamentais. O planejamento e a mobilização são feitos de forma integrada, com articulação contínua entre militares das Forças Armadas e agentes de segurança pública nos níveis federal, estadual e municipal.
Dessa forma, além do Exército, a Ágata com o apoio da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Força Nacional de Segurança Pública, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Ibama, Funai, Receita Federal e órgãos de segurança dos estados das regiões de fronteira, que dão suporte nas abordagens e fiscalizações em vários seguimentos. 
As ações abrangem desde a vigilância do espaço aéreo até operações de patrulha e inspeção nos principais rios e estradas que dão acesso ao país. A duração mínima dos trabalhos é de uma semana. 

Da redação 
Fotos: 15ª Bda. Inf. Mec

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Seja o primeiro, faça seu comentário. ;)