Alimentos orgânicos movimentam R$ 4,5 bilhões no país

26/10/2021

Os produtos são saudáveis, o mercado só cresce, a produção não agride ao meio ambiente e os preços não são necessariamente altos. Os alimentos orgânicos vêm ganhando bastante importância em qualquer perspectiva que se analise. Caiu no gosto e nos hábitos de consumo de muitos brasileiros. O mercado nacional de orgânicos movimentou cerca de R$ 4,5 bilhões no país, em 2020, segundo levantamento da Euromonitor. O número de unidades de produção cadastradas no MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento também cresceu 5,4% no ano passado, chegando a 22.427 unidades.

A cadeia dos alimentos orgânicos carrega muita inovação para cumprir padrões ambientalmente responsáveis e de segurança alimentar. E boas práticas vêm sendo adotadas por produtores rurais, como Rafael Coimbra, que montou um modelo de gestão bastante diferenciado para o cultivo de orgânicos.

De sua fazenda em Santa Cruz da Conceição, no interior de São Paulo, há a produção do que ele chama de “demanda programada”. O que começou como uma pequena horta apenas para as necessidades da família, em 2015, hoje a Sta. Julieta Bio distribui semanalmente mais de 200 cestas com verduras, legumes, raízes ou tubérculos, ervas para chá, temperos e frutas variadas, além de fornecer orgânicos para 20 restaurantes e três indústrias.

São 130 produtos absolutamente sem nenhum agrotóxico, cultivados ao longo do ano. “A demanda programada é justamente um modelo em que não tem de cumprir os padrões do mercado. Assim, se não é época de berinjela, por exemplo, na cesta que fornecemos irá outro tipo de legume condizente com o seu período de colheita”, explica.

Segundo ele, isso é um diferencial enorme uma vez que é possível fazer a rotação de culturas, permitindo trabalhar melhor os micronutrientes do solo e ainda diminuir o consumo de adubo orgânico externo. “A gente preza a biodiversidade, nosso bioma é a Mata Atlântica e assim propomos comer o que a Natureza está trazendo e provendo”, complementa.

Mas o modelo adotado pela Sta. Julieta Bio não é só isso. Foi preciso chamar para a cadeia de produção os consumidores, a partir do trabalho instituído como CSA – Comunidade que Sustenta a Agricultura.

O CSA é feito em conjunto entre produtores e consumidores. Os membros da comunidade se comprometem a cobrir o orçamento do plantio por um determinado período de tempo, o que permite que o produtor não fique exposto às pressões do mercado e possa programar melhor sua produção, evitando desperdícios no campo.

Na outra ponta, para o consumidor final, muitas redes de supermercados há tempos adotam a seção “Orgânicos” nas gôndolas. O Supermago, com cinco unidades localizadas na zona Norte de Porto Alegre (RS), iniciou a comercialização de alimentos orgânicos em 2014 com produtos como café, açúcar, achocolatado, entre outros. Hoje o Supermago vende desde hortifrútis até itens de mercearia, com crescimento constante ao longo desses anos, segundo a diretora Patrícia Machado.

Atualmente, a rede possui 15 fornecedores de orgânicos, o que inclui também produtos veganos. Quanto aos planos de expansão, Patrícia adianta que a ampliação caminha junto com a demanda e necessidade dos clientes. “Hoje, em nossa cidade, já somos referência nesta linha de produtos nas lojas Jardim Planalto e Central Parque”, afirmou.

A evolução do setor no Brasil

O diretor executivo da Organis conta sua trajetória no mercado de orgânicos. “Em 2018, percebemos um movimento importante no país, com muitos brasileiros participando de feiras do setor de orgânicos aqui e fora para trazer estas experiências para seus negócios”. De acordo com ele, isso impulsionou o mercado nacional e já em 2020 houve um crescimento de 30% no faturamento.

“Ainda temos uma lacuna enorme, se comparado ao faturamento global, que representa cerca de U$ 120 bilhões, sendo que somente os Estados Unidos detém a metade desse faturamento, seguido por Alemanha e França, segundo dado da IFOAM/FbIL. No mercado americano esse setor já está bem organizado, com redes supermercadistas e grandes varejistas de orgânicos”, afirma.

Cobi Cruz ressalta que em quatro anos o mercado de orgânicos no Brasil praticamente dobrou. Mesmo com todos os desafios, o país continua sendo o celeiro do mundo e ainda há muito espaço para crescer. “O trabalho realizado pela Embrapa e outras iniciativas ligadas ao agronegócio e à agroecologia, agricultura familiar, por exemplo, confirmam o potencial que o país tem nesse amplo mercado de orgânicos”.

Fonte/ Foto: Sou Agro.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Seja o primeiro, faça seu comentário. ;)